,

,

Receba publicações por e-mail

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

.

Pacto de Desassociação em Massa chega de da dinheiro para associações pelegas

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Jovem tenta o suicídio e é salvo por Policial Militar em Santa Rita do Sapucaí (MG)


Jovem tenta o suicídio e é salvo por Policial Militar

O policial militar Alisson Pereira Costa, 22 anos, já participou de várias ações durante

os quatro anos de carreira, mas nenhuma marcou mais a sua vida do que a ocorrência em que

salvou a vida de uma jovem  que tentava se suicidar. O fato aconteceu na rua Francisco Costa,

bairro Fernandes, em Santa Rita do Sapucaí (MG) na tarde do último 28 de março. A jovem, de

20 anos, ficou durante algum tempo com a casa fechada e o gás de cozinha ligado.

Em um ato de bravura e heroísmo, o soldado Alisson Pereira Costa, que estava de

serviço na rua e foi acionado pela central de operações, resgatou a vítima, que estava

inconsciente e realizou os primeiros socorros até a chegada do Samu, além de evitar um risco de

explosão no local.

Nascido em Cachoeira de Minas em 9 de abril de 1992, Alisson Costa é de uma família

de dois policiais militares, os quais proporcionaram a ele o sonho de ser um policial. O pai se

aposentou como sargento da policial militar e o tio é sargento. Após concluir o ensino médio

aos 17 anos,  Alisson Costa fez o cursinho preparatório para o concurso da Policia Militar e

passou nas provas. Ele trabalha atualmente na Companhia de Santa Rita do Sapucaí. “O

trabalho do policial militar é salvar vidas e combater a criminalidade em busca da paz”,

comentou Alisson.

Nossa reportagem conversou com o soldado Alisson Pereira Costa. Ele narrou todo o

trabalho de resgate que foi realizado para salvar a vítima, desde o momento em que foi chamado

para atender a ocorrência até a chegada do Samu.

Jornal Folha Popular- Descreva para a gente como foi o fato.

Alisson Costa- Fui acionado para comparecer no local onde deparei, já na rua, com um

cheiro forte de gás de cozinha, GLP. Neste momento havia uma grande preocupação tanto com

a vítima que se encontrava no local, com a vizinhança e com a minha própria segurança.

Imediatamente isolei o local, acionei o Corpo de Bombeiros, da cidade de Pouso Alegre, mas

com o risco da vítima não resistir até a chegada dos bombeiros tomei a iniciativa de adentrar no

local, então desliguei a energia elétrica e com cuidados entrei na residência tendo o risco de

haver uma explosão. Avistei a vítima deitada na cozinha.

Jornal Folha Popular- Como ficou sabendo da ocorrência?

Alisson Costa-  Através da central da comunicação. A proprietária da residência

acionou a Polícia Militar, que comunicou a minha viatura.

Jornal Folha Popular- Quanto tempo demorou?

Alisson Costa- Foi algo rápido. Do acionamento até a minha chegada no local durou 5

minutos.

Jornal Folha Popular- Quando você chegou no local o que você viu?

Alisson Costa- Assim que entrei na casa vi a vítima deitada na cozinha inconsciente e

com as pupilas dilatadas. O local possuía um cheiro forte de gás de cozinha. Peguei a vítima em

meus braços, retirei do local e coloquei na via pública. Iniciei os primeiros socorros até a

chegada do Samu e de outra viatura que deu-me apoio.

Jornal Folha Popular- A casa estava fechada

Alisson Costa- No momento sim.

Jornal Folha Popular- Você sabia dos riscos que corria?

Alisson Costa- Sim. Apesar de ser uma ocorrência de risco e complexa, eu tinha que

entrar no local. Corria o risco de acontecer uma explosão, mas não podia deixar a vítima morrer.

Cumpri com o meu juramento de policial militar, que é atuar mesmo com sacrifício da própria

Jornal Folha Popular- Em nenhum momento você teve medo?

Alisson Costa- A ação foi muito rápida. Como o policial passa por diversos

treinamentos, não pensei no medo na hora. Foi a coragem que fez eu entrar na casa.

Jornal Folha Popular- Quanto tempo demorou o resgate da pessoa?

Alisson Costa- Uns cinco minutos. Entrei na casa, peguei a vítima e sai  e depois voltei

para retirar o botijão de gás.

Jornal Folha Popular- Você estava sozinho na operação?

Alisson Costa- No momento que fui acionado estava sozinho, assim que socorri a

vítima outra viatura chegou ao local para dar apoio.

.

Jornal Folha Popular- Tinha mais gente na casa?

Alisson Costa- Não, somente a vitima.

Jornal Folha Popular- Qual o motivo da pessoa tentar o suicídio?

Alisson Costa- Segundo informações colhidas, a vítima estava passando por problemas

familiares, além de um relacionamento amoroso que tinha rompido no dia anterior.

Jornal Folha Popular- Você se encontrou com ela depois?

Alisson Costa- Não, não tive oportunidade.

Jornal Folha Popular- Quais foram os procedimentos que aconteceram depois?

Alisson Costa- Então, após ser socorrida, a vítima foi encaminhada pelo Samu para o

hospital. Como inalei o gás, também passei um pouco mal e tive dores de cabeça e também fui

encaminhado ao hospital. Fui medicado e liberado. Em seguida voltei para o serviço. Foi

registrado a ocorrência e o fato encerrado.

Jornal Folha Popular- Você já teve outra experiência deste tipo?

Alisson Costa- Experiência deste tipo envolvendo o risco de morte, sem que eu possa

ter o total controle da situação, é a primeira vez. Podia ter acontecido uma explosão. Era algo

que não estava ao meu alcance.

Jornal Folha Popular- A vítima estava há quanto tempo na casa?

Alisson Costa- As pessoas que moram na residência tinham saído momentos antes e

chegaram depois deparando com a casa tomada pelo gás.

Jornal Folha Popular- Que mensagem você gostaria de deixar para quem quer entrar na

carreira militar?

Alisson Costa- A mensagem que eu deixo é que entrem na policia aquelas pessoas que

queiram atuar na área, que realmente gostam. E que não entrem somente pelo fato de bom

salário ou estabilidade. É uma profissão difícil e  as vezes incompreendida pela população. Mas

se você gosta, entra e luta por isso e vá até o final. Peço ainda que a população apoie a Polícia

Militar, que esteja presente com ela e unida. Em Minas Gerais é diferente, o povo mineiro é

unido com a Polícia Militar, sendo que em outros estados não há este mesmo afeto entre a

polícia e a população. Eu peço ainda o reconhecimento da população a estes profissionais.


SÍNTESE: Em 281250Mar15-Sab, na cidade de SANTA RITA DO SAPUCAÍ/MG, a PM foi acionada via 190

pela Sra. S.J, 23 anos, solteira, tecnóloga em automação industrial, a

comparecer no Bairro Fernandes, que relatou que ao chegar em sua

residência notou um forte odor de gás de cozinha, sendo que a residência estava totalmente fechada e que

ao adentrar na residência deparou com a vítima M.M.S, 20 anos, solteira,

estudante deitada no chão da cozinha, com um cobertor em cima de seu rosto, que também havia uma

mangueira que saia do botijão de gás indo até em baixo do cobertor. S, alega que apenas desligou o

gás e saiu correndo, temendo uma explosão, devido ao forte odor de gás, e também observou que a vítima

ainda estava com sinais vitais, sendo assim acionou a PM. No local, devido a gravidade dos fatos, levando

em consideração o risco de morte que a vítima corria, fora necessário a entrada da Gurp na residência

para retirar a vítima, a qual se encontrava inconsciente, com pupilas dilatadas, porém ainda com sinais

vitais, sendo iniciado os procedimentos de primeiros socorros. De imediato fora acionado o SAMU,

comparecendo ao local e removendo a vítima até o PAM(Pronto Atendimento Municipal). A testemunha

S., 25 anos, solteira, atendente, relatou que tinha um relacionamento amoroso com a

vítima e que na data de 27Mar2015 veio a romper o relacionamento com M., que provavelmente o

rompimento do relacionamento juntamente com desentendimentos familiares seria o motivo da tentativa de

suicídio. Diante dos fatos o local fora isolado, sendo feito contato com o delegado de plantão o qual

dispensou a perícia. A vítima fora atendida pelo médico de plantão, Dr. DANIEL, sendo constatado

síndrome colinérgica, por intoxicação de gás de cozinha, conforme ficha de atendimento de no 113073. A

vítima permanece em observação, mas não corre risco de morte. O Sd PM ALISSON, devido ao

atendimento no local, sentiu fortes dores de cabeça e foi encaminhado ao Pronto Atendimento Municipal,

conforme ficha de atendimento n° 113089, pelo Dr. DANIEL, sendo constatado intoxicação por gás de

cozinha. Foi registrado/encerrado o BO No 1683/2015, REDS N° 2015-006587419-001, Nat. A03000. 

Equipe: SGT PM DALTON, SD PM ALISSON. Redatora da SOF: SD PM JULIANA.