SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Mulher agredida poderá receber auxílio financeiro


Pela primeira vez Minas Gerais poderá repassar auxílio financeiro diretamente a mulheres vítimas de violência. Sancionada nessa quarta-feira (27) pelo governador Fernando Pimentel (PT), a Lei 22.256/2016 autoriza o Estado a repassar recursos às pessoas do sexo feminino que precisam sair de casa por conta da violência e não têm como se sustentar. Apesar da regra já estar em vigor, a maneira como o benefício será colocado em prática e o valor a ser oferecido às vítimas ainda são estudados pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac).

A nova legislação diz que existem dois recursos. O primeiro é o auxílio-moradia, para “garantir o custeio das despesas básicas necessárias à moradia temporária”. E o segundo é uma verba para mulheres em situação de risco social, por conta da violência domiciliar.

Nesse último caso, o recurso seria dedicado, por exemplo, às vítimas que sofrem violência do companheiro e dependem dele para se sustentarem. O último balanço da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) aponta que, em 2015, 129.054 mulheres sofreram algum tipo de violência em Minas, seja física, moral ou sexual, entre outras. Cônjuges ou companheiros foram autores de 38,5% dos casos.
“Vários fatores mantêm a mulher em situação de violência. Se a dependência financeira é um deles, ela pode ser rompida com os auxílios, e haverá mais uma oportunidade de a mulher interromper esse ciclo”, disse a subsecretária de Políticas para as Mulheres da Sedpac, Larrisa Borges.

Análise. Na visão do especialista em segurança pública Moisés Augusto, a iniciativa é interessante, mas tem que ser bem pensada. “A dependência financeira do companheiro é um problema no caso das vítimas de violência. Mas esse repasse tem que ser bem articulado, pensado até quando vai durar, para vir como ajuda”, avaliou. Segundo Larissa, no modelo atual, o Estado repassa as verbas diretamente a casas e redes de alojamento e abrigo, que fazem o acolhimento das vítimas.