SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Umas das áreas de maior súplica da sociedade...


Umas das áreas de maior súplica da sociedade, a segurança, tem me remetido a reflexões pessimistas diante de uma enquete realizada pela mídia nacional semana passada. A enquete queria saber se o indivíduo gostaria de fazer concurso para ser policial. Para surpresa da enquete, a maioria respondeu que não. Os motivos? Bem, foram tantos que, somados, não conseguiram esconder a verdadeira verdade da resposta negativa: ser policial é um risco de morte, considerando que o número de bandidos são bem maiores do que o contingente policial e tem mais: para ser bandido não precisa concurso, não existe burocracia e a impunidade favorece o infrator. Quer mais explicações para se convencer de que estamos sem “êira e nem beira?”.
A mídia vem divulgando há todo momento o índice de violência em todas as áreas ou segmentos da sociedade Brasil afora. Os bandidos estão em todas as partes, organizados de tal forma que a polícia não consegue fazer um trabalho preventivo. O bandido, por sua vez, é imprevisível, burla normas, regulamentos, “ignora normas, desrespeita regras e as leis que os reprimem". Se presos, sabem muito bem o que elas podem e não podem intimidá-los.
O contingente policial, por mais equipado tecnologicamente que esteja, com internet e tudo mais, ainda precisa se equipar e se nutrir de outros produtos indispensáveis como: aumentar o número de cadeias em todo o território nacional, equipar-se com armamento mais eficiente e comparativo com os dos bandidos, e a certeza de que a todo momento ele vai passar por treinamento no qual lhe assegurará melhor salário e graduação.
A segurança pública é de responsabilidade do poder público. Quando o poder público se ausenta de seus compromissos sociais e, principalmente essenciais, dá a entender que ele está se furtando de construir cadeias. É como se esse compromisso significasse construir a própria sepultura. Enquanto isso não acontece, os presídios vivem superlotados, alimentando ainda mais a ira dos rebeldes que lá se encontram com o nome de “reeducandos”.
O Brasil está vivendo a todo vapor o pleito eleitoral. Em Mato Grosso, os candidatos ainda não tiveram tempo hábil para apresentar para a sociedade as suas propostas. Sabe-se, ou espera-se, que um dos temas a ser debatido em questão será a segurança. A expectativa da sociedade vai ser a de ver nos olhos de cada candidato, a vontade política de dar para a sociedade, pelo menos a esperança de que os problemas cruciais que ela vive, serão, pelo menos, equacionados, como eles costumam dizer após eleitos. Vamos esperar pra ver, afinal, segurança é necessária.
Gilson Nunes é jornalista e funcionário público e escreve neste Blog todo sábado. E-mail: gnunes01@yahoo.com.br