SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Policial civil e mais três são presos suspeitos de assassinato em BH


Fonte: G1
Um policial civil e mais três homens estão presos suspeitos de participar do assassinato de um jovem na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte, no dia 13 de julho. Segundo a Polícia Civil, eles invadiram uma casa no bairro Serra Verde com a intenção de executar a vítima e outros três jovens, que ficaram feridos. Em entrevista nesta segunda-feira (5), o delegado Sérgio Paranhos informou que os crimes foram motivados por disputa por ponto de venda de drogas.
No momento da invasão, havia cerca de dez pessoas na casa, incluindo mulheres e crianças. "Chegaram com roupa de policiais civis, camisas, coletes, se identificaram como policiais civis, cercaram a casa, como se fosse uma operação. Invadiram, renderam as pessoas que estavam lá dentro e, após identificar os alvos que eles queriam, começaram a fazer disparos de arma de fogo, visando executar os desafetos”, disse Paranhos.
A vítima e os três jovens teriam se reuniram em um dos cômodos para evitar que os demais moradores da casa fossem atingidos, informou a polícia a partir de relatos colhidos na investigação.
Os mandados de prisão foram cumpridos durante operação na última quarta-feira (31). O delegado não informou o nome e a idade precisa do policial, alegando motivos de segurança. Afirmou que ele tem muito anos de corporação e falou sobre a participação dele no dia do atentado.


"Várias testemunhas reconheceram um policial civil que participou diretamente desta empreitada criminosa, onde compareceu com os demais autores e ficou do lado de fora armado, dando escolta, enquanto alguns autores adentraram na residência e efetuaram os disparos", disse Paranhos. O policial é suspeito de ter fornecido uniformes, coletes e armas para o grupo. A investigação também aponta que ele extorquia dinheiro de traficantes da região.

Os demais presos têm 22, 24 e 54 anos. Durante a apresentação, nesta segunda-feira (8), eles negaram que tenham participado dos crimes. O mais velho teria dirigido um carro, dando cobertura para a fuga. O delegado afirma que depoimentos ainda são analisados para determinar a atuação precisa de cada um no dia do crime.
Segundo a polícia, outros três homens participaram da ação e são considerados foragidos. Um deles chefia uma das gangues que disputam o controle do tráfico na região.
O grupo estava fortemente armado com revólveres, pistolas e espinguardas, inclusive de uso restrito. Eles devem responder por um homicídio qualificado e três tentativas. Além disso, deve ser aberto um processo administrativo disciplinar contra o policial.
A vítima é Tiago Vieira dos Santos, de 17 anos. Ele foi socorrido para o hospital com os demais feridos, mas não resistiu. Os sobreviventes têm 16, 17 e 23 anos. O mais velho, que chefiaria o grupo rival, teve 29 perfurações pelo corpo. A polícia afirma que todos têm envolvimento com o tráfico no aglomerado. "Acerto de contas, a motivação foi a disputa por pontos de venda de drogas. É uma guerra antiga dessas duas gangues que atuam na região do Aglomerado do Borel", afirmou