SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

MARINHA RECEBE PRIMEIRO 1° HELICÓPTERO LANÇA MÍSSEIS DO BRASIL

Helicóptero mais complexo já construído no Brasil pode transportar 28 soldados ou então atacar navios inimigos com mísseis Exocet.

O helicóptero da imagem é o primeiro H-225M da Marinha do Brasil, armado com mísseis Exocet (Thiago Vinholes)

“Tremei-vos, vizinhos!”, essa é a mensagem que uma nação transmite ao mostrar um helicóptero de última geração carregando alguns dos armamentos mais letais do mundo. E o Brasil tem um desses, o H-225M , fabricado pela Helibras, e que pode ser armado com o Exocet, o famoso míssil anti-navio desenvolvido na França, pela MBDA Missile Systems.

O primeiro aparelho desse tipo para a Marinha do Brasil (MB) foi apresentado a imprensa e autoridades nessa terça-feira (25), em Itajubá (MG), na fábrica da Helibras, empresa que faz parte do grupo Airbus. O H-225M  é a versão naval do H225 “Super Puma”, como é chamado o mesmo aparelho fabricado na Europa, pela Airbus Helicopters. No Brasil, ele é o “Caracal”.

Grande, rápido e com sistemas de alta tecnologia, o H-225M  é o helicóptero mais avançado já construído pela indústria nacional. O projeto da célula (o “corpo” do helicóptero) é europeu, mas a integração dos equipamentos de busca e armamentos foi desenvolvido por empresas brasileiras, como a Avibras e Mectron, que participam do programa H-XBR. O projeto prevê a produção de 50 helicópteros AS225 em diferentes versões para Marinha, Exército (EB) e a Força Aérea Brasileira (FAB).

A Helibras já entregou 26 unidades do novo helicóptero para as forças armadas brasileiras: sete aparelhos para a MB, nove para o EB e outros 10 para a FAB, incluindo os dois modelos detransporte oficial de autoridades.

Helicóptero de guerra Naval

O H-225M da Marinha é o primeiro Caracal com sistema de armas. Para lançar um artefato desse tipo não basta apenas instalar um “cabide” de armamentos, sobretudo para disparar o Exocet. O helicóptero possui um radar de busca marítima (modelo APS-143), capaz de encontrar embarcações a mais de 300 km de distância e que ajuda no sistema mira do míssil – o novo helicóptero pode levar dois Exocet. Ao todo, a MB vai receber cinco H225 .


O H-225M pode voar a mais de 320 km/h e alcançar 6.000 metros de altitude (Thiago Vinholes)

“Reconhecemos que a Marinha, assim como as outras forças nacionais, ainda precisa de mais meios de defesa e vigilância, sobretudo para proteger as riquezas de nossa ‘Amazônia Azul’. Porém, esses cinco helicópteros com a capacidade de lançar o Exocet vão aumentar significativamente a capacidade da Marinha em operações marítimas de longo alcance, além de elevar nosso poder de dissuasão”, afirmou o capitão de fragata Sandro Monteiro, gerente logístico da Marinha no programa H-XBR.

Até então, a Marinha do Brasil utilizava apenas oExocet na versão para ser lançada a partir de navios – também existem variações do míssil francês que podem ser disparadas de aviões, veículos terrestres e até de submarinos. O Exocet que equipa o AS225M é o modelo “AM39 B2M2”, a versão mais recente desenvolvida pela MBDA para helicópteros.


O Exocet foi usado pela primeira vez na Argentina, durante a Guerra das Malvinas(Thiago Vinholes)

“A principal função de um míssil como o Exocet é a dissuasão. Nenhuma força armada no mundo pretende lançá-los. No entanto, se for preciso, é um meio de defesa extremamente eficiente. Já vimos o potencial do Exocet em conflitos no Oriente Médio e também aqui na América do Sul”, explicou Patrick de La Revelière, vice-presidente de exportações da MBDA, se referindo às guerras do Irã-Iraque e a Guerra das Malvinas, quando forças da Argentina utilizaram o míssil pela primeira vez, em 1982, e afundaram de forma devastadora dois navios da poderosa marinha britânica.

O Exocet que será usado nos H-225M ainda tem componentes nacionais. O motor, por exemplo, será construído pela Avibras, enquanto o sistema de orientação é projetado pela Mectron. O “caminho” do Exocet até o alvo é programado pelo radar do helicóptero e, na fase final, o radar do próprio míssil assume o comando até alcançar a parte inferior do casco da embarcação, onde explode.

A Marinha trata os detalhes sobre o desempenho do Exocet como “segredo nacional”. No entanto, segundo informações da MBDA, o míssil pode ser disparado a distâncias entre 70 e 180 km, dependendo de qual é lançado – a versão com maior alcance é a lançada por aviões. A MB também não divulga quantos mísseis Exocet tem no estoque. “Uma força militar não pode colocar as cartas na mesa dessa forma. O segredo é outra parte da força de dissuasão”, disse o diretor da MBDA.

O preço do Exocet é outra informação secreta. Especula-se que cada míssil é avaliado em cerca de US$ 1 milhão. Pode parecer caro, mas é uma arma capaz de inutilizar um navio militar de grande porte, como uma fragata e um cruzador, ou até um porta-aviões, instrumentos avaliados em centenas de milhões ou até bilhões de dólares. “Sob esse ponto de vista, posso garantir que o Exocet oferece um ótimo custo/benefício. O que esse míssil pode fazer é impressionante”, completou La Revelière.

Maior helicóptero do Brasil

Apesar do tamanho e peso – o H-225M tem quase 20 metros de comprimento e pode decolar pesando 11 toneladas -, o novo helicóptero da Marinha acelera como se fosse leve. A força gerada pelos dois motores turboshafts (turbinas), cada uma com cerca de 2.800 hp, pode levar o aparelho até 320 km/h, quase a mesma velocidade máxima dos AH-2 Sabre, o helicóptero de ataque da FAB.

O H-225M é comandado por dois pilotos e dois operadores de sistemas de busca e armas. No entanto, também pode ser convertido para transportar tropas, com espaço para até 28 soldados totalmente equipados – como comparação, o Embraer KC-390 comporta 80 soldados. Já o alcance do helicóptero gira em torno de 860 km – a FAB já voa na versão com sonda de reabastecimento.

O modelo que aparece nas fotos, ainda sem a pintura militar, será incorporado à frota da Marinha em 2018. A MB vai receber 16 modelos H-225M em três versões, que a corporação chama de “Básica” (de transporte), “C-SAR” (combate, busca e salvamento) e “Operacional”, o modelo armado com os Exocet. Os modelos navais também são preparados para operarem a partir de embarcações, o que exige cuidados especiais contra corrosão e o uso de trem de pouso mais resistente.

O novo helicóptero da Marinha também é equipado com sistemas de contramedidas contra mísseis, os chamados “Flares” e “Chaff”. O primeiro, parecido com fogos de artificio, é concebido para afastar mísseis orientados por calor, enquanto o segundo elemento são como tiras de alumínio, que confundem os radares de outras aeronaves ou mísseis com esse tipo de orientação.


Certamente, uma visão ameaçadora para um navio inimigo, a de um AS225M levando dois Exocet (Thiago Vinholes)

No próximo ano, os novos sistemas de armas e sensores do H-225M passarão pela avaliação e certificação da autoridade militar, o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA-IFI). A Marinha, porém, novamente não confirma se vai disparar algum Exocet em testes contra alvos marítimos, como fezem abril deste ano. “Eu, como fabricante de mísseis, adoraria que a Marinha do Brasil testasse um Exocet”, comentou La Revelière, durante entrevista coletiva.

“O ganho que a indústria brasileira teve com a transferência de tecnologia no projeto H-XBR é enorme. O Brasil agora tem a capacidade de desenvolver e construir alguns dos helicópteros mais avançados do mundo. Além disso, esse foi a primeira aeronave desenvolvida seguindo os requisitos da Marinha brasileira”, celebrou Richard Marelli, presidente da Helibras.


As forças armadas do Brasil encomendaram 50 helicópteros AS225 com a Helibras (Thiago Vinholes)

A fabricante ainda afirma que existe a possibilidade de exportar a versão brasileira do H225. “É uma venda complexa, por que depende de uma série de autorizações dos países onde os componentes são fabricados. Mas é viável. No entanto, primeiro precisamos de clientes”, completou Marelli.

FONTE: Airway.UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aviso: nossos colaboradores estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas.Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

- Seja educado. Estar escondido atrás de um computador não dá direito a ninguém de ser diferente do que seria frente a frente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.