SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

sábado, 22 de outubro de 2016

VERDADE, EU SOU UM "MONSTRO".

Amigos, descobri que sou um monstro. Sou Policial Militar do Estado do Rio de Janeiro.
A imprensa me informou, um vizinho maconheiro postou nas redes sociais e meus superiores confirmaram.
Lembro como se fosse ontem. Um sábado à noite e uma tradicional festa folclórica na comunidade da Formiga, na Tijuca. Minha guarnição foi deslocada para apoiar a tal festa e debaixo de olhares preconceituosos fomos hostilizados pela grande maioria presente. Enquanto a população se divertia, assistíamos tudo de camarote. Agir contra os ilícitos naquelas circunstâncias seria um grande erro. Provocaríamos a ira de todos e teríamos que utilizar os meios cabíveis para dispersar a multidão...
 Transcorria tudo bem até às 2 horas da manhã, quando um sujeito visivelmente drogado (posteriormente, comprovado por médicos), caiu de uma escadaria e feriu a cabeça. Um corte profundo que causou a comoção da população e os gritos histéricos: “Socorro, seu Polícia. Ele está morrendo.” Deixamos qualquer orgulho de lado. O estresse da situação deu lugar a adrenalina de um sangue azul e corremos ao socorro do sujeito. Isolamos a área e o socorro médico foi acionado.
O tempo passava, o sangue escorria e nada de ambulância subir o ‘morrão’. Decidimos então, colocar o rapaz na viatura e partir, juntamente com sua mãe, ao hospital federal do Andaraí. Bruno Tvardovski Dirigia, outro companheiro fico no banco da frente, por conhecer o caminho, e eu fui ao lado da mãe e do enfermo, na parte traseira da viatura.
No meio do caminho, em meio a irregularidades das estradas cariocas e as curvas sinuosas das comunidades do Borel e Andaraí, o rapaz teve uma convulsão e se debatia. Seus olhos reviravam e sua língua se enrolava. Percebi o cenário quando a mãe clamou por ajuda, dizendo que seu filho estaria morrendo. Não pensei duas vezes, pulei a velha senhora e fui acudir o enfermo. Pus meu dedo em sua boca e desenrolei sua língua. Pressionei seu corpo na lateral da viatura em uma reação desesperada de conter sua agitação e controlar o sangue perdido. Enfim, chegamos ao hospital. Percebi que a porta ao lado do enfermo não estava completamente fechada, então orei e agradeci. “Deus, obrigado por segurar a porta da viatura e ter impedido que este homem tenha caído na rua.”
Meus braços estavam cheios de sangue. Fui repreendido pela enfermeira. Tive o risco de perder o dedo e/ou contrair alguma doença... Só pedi um álcool e o número do BAM de atendimento para regressar a minha unidade.
Agradecimento? Reconhecimento? Meritória? Nada disso! Apenas fiz o meu trabalho e dei sorte que todos improvisos deram certo. Isso em mais uma noite normal de trabalho. Caso algum procedimento feito viesse a falhar, eu e minha guarnição seríamos os monstros da vez.
Só pra constar. Estamos esperando a ambulância até hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aviso: nossos colaboradores estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeitosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas.Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

- Seja educado. Estar escondido atrás de um computador não dá direito a ninguém de ser diferente do que seria frente a frente.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.