,

,

Receba publicações por e-mail

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Sérgio Cabral cobrava mensalão de R$ 500 mil e chefiava organização criminosa, diz MP


Integrantes da força-tarefa do Ministério Público do Rio de Janeiro e do Paraná, Receita Federal e Polícia Federal informaram que o ex-governador do Rio de Janeiro (2007/2014) Sérgio Cabral, preso nesta quinta-feira,  mantinha um esquema de corrupção no governo do estado que envolvia pagamento de 'mesada' por parte de construtoras. Segundo o procurador Athayde Ribeiro Costa, do Ministério Público do Paraná, o valor pago em propina ao ex-governador chegou a R$ 300 mil mensais, no primeiro mandato, e R$ 500 mil mensais, no segundo mandato.

O superintendente da Polícia Federal do Rio de Janeiro, Mário Semprine, disse que o valor estimado do desvio de dinheiro público é "superior a R$ 221 milhões". O delegado da Polícia Federal do Rio de Janeiro, Tácio Muzzi, destacou que este valor investigado diz respeito apenas a três grandes obras feitas no governo de Sérgio Cabral - a reforma do Maracanã, Arco Metropolitiano e Parque Favela, que juntas somaram investimentos do governo federal, em parceria com com verbas estaduais, de mais de R$ 3 bilhões.

"Ele cobrava uma mesada e, em troca, essas obras eram feitas em regime de cartelização e as licitações eram fraudadas", afirmou.