,

,

Receba publicações por e-mail

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

SOLUÇÃO EMPRÉSTIMOS

sábado, 17 de dezembro de 2016

O milagre do acidente com 24 veículos e nenhum ferido grave



Para Cleide Maria foi como “ganhar na mega-sena”; para Vitor Elias foi um “livramento de Deus”; para Gilvana Mara foi como “nascer de novo”; para Kleyder Carvalho, o melhor presente de Natal; e para o tenente André Muniz foi “um milagre”. Quem visse a cena de 24 carros desfigurados, amassados um por cima do outro, alguns debaixo da carreta, entenderia o que os motoristas, passageiros e socorristas estavam querendo dizer. Não dava para acreditar que todos tinham saído praticamente ilesos dali.
Das dez vítimas atendidas, oito foram levadas para o hospital, sendo que apenas duas tiveram que ser retiradas de dentro dos veículos pelos bombeiros, nenhuma delas com ferimentos graves. As centenas de curiosos que observaram o acidente com câmeras de celulares e olhos do alto do morro aplaudiram ao ver a última passageira ser resgatada com vida de um dos carros mais deformados.
Quando a vendedora Gilvana Mara de Paiva, 40, entrou na BR–356, na direção de sua casa, em Belo Horizonte, e olhou no retrovisor do Fiat Brava dela, a carreta carregada de ferro vinha descendo na pista do meio “jogando carro para tudo quanto é lado”. “O trânsito estava lento. Eu tive uma presença de Deus na hora, moça, que só pensei em subir pra cima do barranco, se não fosse isso eu estava debaixo do caminhão. Um (veículo) Gol subiu em cima do meu telhado”, contou ainda tremendo.